Trends
Catarina Araújo

"O detalhe indefinido"

Paulo Lago de Carvalho

Opinião Anterior
Catarina Araújo

Magia ao estilo do mundo dos ‘hobbits’

Catarina Araújo

Próxima Opinião

Ano 2019 – Centenário da Bauhaus

Doutor Jacinto Rodrigues

Professor Catedrático Jubilado da Universidade do Porto

Doutor Jacinto Rodrigues
A Bauhaus, fundada em 1919 por Walter Gropius em Weimar, na Alemanha, foi uma experiência pedagógica no domínio das artes, pintura, escultura, dança, grafismo, fotografia, tecelagem, design, arquitetura e urbanismo. Este movimento extravasou o quadro institucional de uma escola para se tornar num movimento internacional.
Mesmo antes de terminar abruptamente na Alemanha, em 1933, com a ocupação nazi acusando de bolchevismo e judaísmo, a Bauhaus desenvolveu ramificações internacionais que refletem o impacto da sua pedagogia. Em 1931, Arieh Sharon, ex-aluno da Bauhaus, inicia a sua atividade de arquiteto na Palestina com o "estilo Bauhaus”, fazendo hoje da cidade de Telavive, em Israel, uma referência maior deste movimento.
As raízes da Bauhaus estão diretamente inseridas na transformação social e política que a Alemanha sofreu logo a seguir à 1.ª Guerra Mundial. Com efeito, toda a sociedade alemã sofreu uma rutura com o antigo regime. Proclamou-se a república de Weimar e esta mudança política teve repercussões em toda a sociedade civil. Também as instituições pedagógicas refletiram na metodologia e no conteúdo do ensino essa transformação da sociedade.
A Escola da Bauhaus foi provavelmente a instituição pedagógica, durante a República de Weimar, que mais longe levou uma experiência de inovação através de:
1. Uma diversidade de professores que, com formações diversas, conseguiram uma transdisciplinaridade em torno de objetivos pedagógicos comuns, refletida nos currículos; 
2. Um movimento editorial que veio a marcar a vida cultural da época; 
3. Uma nova orientação estética e uma nova conceção de escola baseada numa metodologia democrática e participada.
A Bauhaus exprime assim a sua contribuição para a modernidade. Revisitada hoje, 100 anos depois da sua fundação, pode ensinar-nos a articular de uma forma viva e consciente esses três domínios que estão intimamente relacionados: ética, estética e técnica.
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi