Egídio Alves

INDÚSTRIA AUTOMÓVEL

André de Castro Pinheiro

Opinião Anterior
Egídio Alves

A moda é transversal e eclética

Egídio Alves

Próxima Opinião

Design com Identidade 

Andreia Miranda

Designer de Interiores, Sócia na KOHDE Soluções de Design

Andreia Miranda

Com os níveis de stress atuais e as exigências de um dia a dia profissional cada vez mais altas, as nossas casas são o nosso refúgio e local de conforto, onde despimos as fardas de trabalho e vivemos as nossas horas de lazer. É cada vez mais notório que existe uma preocupação crescente em criar bases físicas estáveis onde a vivência emocional seja valorizada e adaptada à identidade de cada um. Os resultados finais são sempre únicos e personalizados e isso só se consegue se cada um investir emocionalmente no seu próprio espaço, rodeando-se de elementos que lhe despertem prazer e conforto.
O objetivo primordial do design já não será apenas servir a "função”, mas crescer e desenvolver-se de forma empírica em cada espaço. Hoje, todos nós "vivemos” a casa e queremos que seja o espelho das nossas experiências e expetativas. Tendo tudo isso em consideração, é inevitável que se criem laços entre o Profissional e o Cliente. Desenvolver um projeto é uma parceria sensorial e de perceção de gostos, desejos e entendimento. É "vestir” os espaços e criar áreas de estímulo, sociais ou de descanso onde se desenvolvam sinergias emocionais entre os objetos e o utilizador. 
Cabe ao designer ou ao decorador a tarefa de conhecer o seu cliente e fazê-lo reconhecer-se na sua casa. Já não podemos fazer riscos num papel e dizer-lhe que determinada escolha é a certa. Temos de criar empatia com a sua personalidade e apreender aspetos do seu gosto e identidade em cada projeto. Uma nova disciplina cria-se neste novo século: o Design Emocional.