Utopia: Susana Barros e Ricardo Cruz

Abordagem livre e consciente

Ricardo Cruz e Susana Barros

Sediada na cidade do Porto, a Utopia nasceu em 2007 pela vontade dos arquitetos Susana Barros (S) e Ricardo Cruz (R), ambos com um curriculum recheado de colaborações com prestigiados arquitetos. A vontade de encetar "novas abordagens de projeto para responder às necessidades do nosso tempo, aos problemas ambientais e aos territórios atuais”, aliada a uma "filosofia de liberdade de conceção e preocupação em responder a uma sociedade diferente e ecologicamente consciente” (Susana Barros), está na génese do atelier

Porquê o nome "Utopia”? 
R: "U” é o prefixo de negação e "topo” significa lugar: é a negação do lugar. Thomas Moore no seu livro atribui o nome "Utopia” à ilha perfeita: o lugar do pensamento, o lugar da liberdade. Utopia pareceu-nos perfeito para quem projeta. O arquiteto procura criar a realidade perfeita. Nunca consegue, mas tem de a procurar. 

O que fez unir em sociedade um portuense e uma lisboeta? 
S: Eu julgo que é precisamente a abordagem ao projeto livre de constrangimentos e ambientalmente consciente. Por outro lado, Portugal é muito homogéneo nas suas divisões e hierarquias. Viajo pelo país e o que vejo são as mesmas aspirações, os mesmos desejos, as mesmas fobias, os mesmos fantasmas e os mesmos personagens com diferentes atores. 

Já ambos colaboraram com arquitetos de renome. Que balanço fazem dessas experiências?
S: Colaborar com alguém de qualidade é sempre útil porque a formação académica é desfasada do contexto profissional. A prática está dependente das leis, dos instrumentos, das tecnologias. É transitória, mas é importante no ato de projeto. Colaborar permite aprender o lado técnico e aceder a projetos de grande escala no início de carreira. 
R: A experiência de trabalhar com Souto Moura e com Siza Vieira nos projetos conjuntos destes foi importante porque têm obras extraordinárias. E há razões para a qualidade das obras: o método, o esforço, o processo, a crítica, a reflexão. Perceber o porquê foi muito importante.

Que tipo de serviços oferece a Utopia? 
R: Arquitetura. Hoje em dia para termos arquitetura de qualidade temos forçosamente de incluir todas as especialidades. Isso passa por utilizar inicialmente um processo de conceção que vai desde o esquiço, passa pelo desenho com software BIM, maquetes e impressões 3d, inclui a coordenação das especialidades e consequente integração num projeto de execução, onde se detalha tudo. O acompanhamento de obra é também fundamental.

"Julgo que o sonho seria solicitarem-nos o desenho de um parque urbano”

Há algum projeto que tenha sido particularmente desafiante?
S: Projetos Públicos ou projetos para as multinacionais são sempre desafiantes. Mesmo que haja um coordenador, se tiverem cem funcionários, nós passamos a ter cem clientes. Esforçamo-nos sempre por deixar todos os clientes satisfeitos.

A vossa assinatura já atravessou fronteiras. Em que países já desenvolveram projetos? 
R: Espanha é física e culturalmente mais próxima e até estou aí colegiado. Mas já trabalhamos para França, Brasil, Angola, Argélia. O desafio de projetar é igual: há leis a respeitar, culturas a interpretar, processos construtivos a usar, orçamentos a cumprir. 

Em que medida a sustentabilidade é uma preocupação?
S: É todo um modo de trabalho. Para tomarmos as melhores decisões temos de conhecer o gasto energético em obra e perceber as consequências das nossas opções. O nosso desígnio é projetar para a eficiência térmica, para a climatização passiva. Verificamos que reintroduzimos processos que estão patentes na arquitetura popular portuguesa. Logo sustentabilidade, economia e cultura acabam por se fundir e adquirir os mesmos significados.

Qual seria o projeto de sonho para o vosso atelier? 
R: O tema eterno para qualquer arquiteto é a cidade. O Aldo Rossi ensinou-nos que podíamos desenhar a casa na cidade e a cidade na casa. Gosto de trabalhar a escala urbana em Portugal. Julgo que o sonho seria solicitarem-nos o desenho de um parque urbano ligando toda uma estrutura de mobilidade sustentável a pontos estratégicos da cidade. Custos baixos de intervenção proporcionam retornos económicos e sociais elevados, colocando o projeto como exemplo.

CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM MORTÁGUA
CASA EM PAREDES
CASA EM PAREDES
TORRES EN ORAN, ARGÉLIA
TORRES EN ORAN, ARGÉLIA